Visualizações

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Fernando Portuga foi convidado para a Caliente em Zurique

Fernando Portuga foi convidado para a Caliente

Caliente, a festa Latina em Zurique, onde encontrei o português, Fernando Portuga, italianos, suíços, brasileiros, mas principalmente gentes do sul da América. Pequenas entrevistas aconteceram debaixo de chuva torrencial, ao baixar do pano mais Caliente na Suíça.

Havia muitos comes e bebes, cada país representava as suas tradições, a música e a gastronomia, as bandeiras nacionais. Contudo o Fernando Portuga e família, quase perdidos entre Latino-americanos, lá estavam a vender as suas bifanas e o vinho verde da região do Minho. Para quem comeu petiscos na Casa Portuga, gostou muito e incentivou os amigos que em correria visitaram o local. Valeu a publicidade que curiosamente os portugueses acharam graça ao Placar que dizia: Bifanas mit Brot, em vez de, Schweinefilets mit Brot no qual tiraram fotografias e colocaram no facebook, no contexto riram da “piada” único e simplesmente por estar escrito em português e alemão. A bandeira nacional portuguesa exibida não deixou passar ninguém despercebido. Parabéns Fernando Oliveira.
Enquanto a Casa Brasileira, representada pela Marta Pereira, vendia o seu feijão negro ou seja a saborosa Picanha com Cerveja, Sangria ou Caipirinha, usual lá para aqueles lados tropicais do Brasil “caliente”, onde as bandeiras e a música chamavam clientes para saborearem o prato mais conhecido do Brasil em terras helvéticas para além do Samba.
Soubemos que as barracas mais pequenas rondavam entre os 5000.00 e 8000.00 francos, caso da Casa Portuga e da Feijoada Brasileira. O tempo esteve com horas muito chuvosas durante os três longos dias na Caliente, digo mesmo com espaços de sol e bom tempo, mas também com grandes descargas de água, consideradas tempestades, que num ápice chovia como cântaros, como podem verificar no vídeo do repórter X no encerramento destas festas. No rescaldo destas grandes festas em torno da Helvetia Platz, teve milhares e milhares de pessoas, muitas barracas ou tendas se quisermos, com gente de todo o lado a representar o seu país, Portugal, Brasil, Itália, entre outros, e em grande parte os sul-americanos, como Cuba, Republica Dominicana, México, etc.. No final de contas, os negócios ficaram aquém das expectativas, culpa do mau tempo que se fez sentir em certas ocasiões, que atirou a maior parte dos visitantes para dentro dos comércios por ali existentes e muitas e muitas pessoas que regressaram a casa e não voltaram. Os comerciantes louvaram a organização do Evento, acrescentando que o valor era exorbitante, mas que ficaram com segurança tanto de dia como principalmente de noite enquanto descansavam, e que ficava muito caro para no final da festa Caliente limpar todo o lixo, portanto que fica dispendioso para a manutenção e pessoal envolvido, havendo outras despesas adicionais como luz e água, entre outros. No entanto, e neste compasso de incerteza, dizem não saber se realmente tiveram lucro e que muitos se sujeitavam mesmo ao prejuízo, caso não tirassem para o aluguer e para pagar ao pessoal que ajudou. Na verdade, houve multidões, mas como se costuma dizer, nem tudo que reluz é ouro e a chuvinha veio visitar com muita frequência a Caliente, talvez para a refrescar ou acalmar as ideias e o álcool consumido em exagero  muitos visitantes, pois, assistimos exactamente nesta ponta final, quando muitos andavam debaixo da chuva que mais pareciam canais pluviais, onde outros até dançavam, nem o homem dos guarda-chuvas brasileiro se safou a vender, porque o álcool abrigava a chuva dos neurónios de quem já pouco ou nada sabia o que fazia.

Artigo: Quelhas
Revisão: Patrícia Antunes
Enviar um comentário

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)