Visualizações

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O Jornal Maria da Fonte Comemorou os seus Cento e Vinte e Cinco anos de vida 1886/2011

Parabéns ao jornal periódico Maria da Fonte, por ser um marco na nossa história, no Concelho da Póvoa de Lanhoso, no coração do Minho e na história de Portugal. O jornal Maria da Fonte veio afirmar a revolta da Maria da Fonte de 1846 volvidos 40 anos. (cujo a primeira estátua é inaugurada a 15 de Agosto de 1978) A origem ou o passo advém desse momento de história de Portugal, que segundo dizem, deu inicio em Fontarcada na Póvoa de Lanhoso. É bom que se diga que o periódico Maria da Fonte, reforçou a ideia de ser um defensor da circunstância da sua Heroína e da Guerra da Patuleia, (sob a objecção dos enterros fora das Igrejas, das Leis de Saúde Pública e à Reforma do Processo Tributário) contra o Governo de Costa Cabral e da Rainha. Também o jornal, segunda entidade mais antiga do Concelho de Lanhoso, (seguido à Banda de música de Calvos) nasceu e progrediu através do livro de Padre Casimiro José Vieira “Apontamentos para a História da Revolução do Minho em 1846 ou da Maria da Fonte” e seguido do livro de Camilo Castelo Branco “A Maria da Fonte”. A origem da Revolução do Minho ou da Maria da Fonte, não só deu origem ao jornal Maria da Fonte, mas, contudo deu nome a montes de coisas, exemplo: SC. Maria da Fonte, Restaurações, Hotéis e Lojas etc. O jornal Maria da Fonte, dividiu-se entre três Séculos, nasceu debaixo da Monarquia e anos depois abrigou-se no tecto do Fascismo, passou pela Primeira Grande Guerra Mundial de 1817/18, (onde muitos e muitos povoenses perderam a vida, no qual o Sargento Joaquim Gonçalves “Quelhas” sobreviveu) e chegou aos tempos da liberdade. Liberdade de expressão. E foi após o 25 de Abril de 1974 que o jornal Maria da Fonte emergiu mais forte, mais decisivo, apontando algo do passado que estava trancado nas gargantas dos povoenses e dos Portugueses, sobre tudo, artigos que se tinham fechado no tempo da PIDE (Polícia Fascista). Entre 1886 e 2011, portanto 125 anos que o jornal Maria da Fonte teve glória, com algumas, poucas interrupções, no início das primeiras edições e se faziam poucos exemplares, mas foi a partir de 1974 que se destacou mais a todos os níveis. De salientar que o periódico povoense, nasceu como o nome de “O Castelo de Lanhoso” meses depois, “A Maria da Fonte” e seguido até à longa data “Maria da Fonte”. Maria da Fonte serviu os povoenses e era apenas um jornal local. (apenas enviavam três ou quatro jornais para o poder central obrigatoriamente, senão fechavam o jornal naquele tempo de poder económico fraco e de mentes ofuscas) Só depois do 25 de Abril e com o inicio da emigração, é que o jornal povoense atravessou fronteiras, especialmente para os países de língua de expressão portuguesa e para a Europa. Quanto à queixa (Lápis Azul) dos anteriores administradores do jornal Maria da Fonte antes de termos liberdade e no tempo da censura, a que testavam e muito bem, agora a coisa inverte-se. Vejamos. No tempo de Armando Eurico de Carvalho, toda a gente criticava o homem, que ia para a Sede do SC. Maria da Fonte tirar notícias dos jornais, principalmente do jornal de Notícias, pois, talvez nesses longos anos à frente dos destinos do jornal Maria da Fonte, não houvesse tantos escritores como no dia de hoje ou teriam receios de publicar!? Agora com a nova direcção, a jornalista povoense do jornal Maria da Fonte, Lurdes Marques, tipo, Armando Eurico de Carvalho, assina a maior parte dos textos, fora aqueles que sublinham “redacção” como disse agora com todos os escritores sem tabus, desde os mais velhos aos mais novos, desinibidos, parece que ainda funciona o Lápis Azul invertido. Ontem e hoje, Eu, “Quelhas” escritor, jornalista e repórter, por ser directo, objectivo e sem papas na língua, e falo por mim, estou a ser censurado desde há uns tempos a esta parte, como no tempo da PIDE, pela Comunicação Social povoense, (depois de ser acarinhado por milhares de portugueses no estrangeiro, especialmente na Suíça onde estou radicado temporariamente) quando precisam de novas ideias e projectos para um futuro próximo e dar continuidade ao GRANDE jornal Internacional Maria da Fonte, que, muitas das vezes, ultimamente, só trás politiquices, desporto, notícias e fotos de mortos e pouco mais… Ainda li há bem pouco tempo, um artigo do Director Armindo Veloso, que dizia que, o jornal era isento para todos, onde e como!? Não vejo nenhum artigo publicado no Jornal Maria da Fonte, sob tutela cultural no estrangeiro, que enviei na intenção de divulgar vários Personagens ligados à Cultura e acontecimentos de notícias, nem uma notícia da apresentação do terceiro livro, designado por “Terra das Marias da Fonte ou fontanário, história com histórias…” quando convidei directamente na redacção! Queremos um jornal eximo, para ser um jornal mais enraizado a nível internacional, dar notícias da Póvoa de Lanhoso para o Mundo, mas, por sua vez dar notícias do estrangeiro para a Póvoa de Lanhoso. E para terminar, gostaria que a jornalista, Lurdes Marques, viesse um dia, a ser Directora do jornal Maria da Fonte pelo seu empenho e amor à camisola… Viva o jornal Maria da Fonte, viva a Democracia, viva a Liberdade e a Liberdade de Expressão. Fora a Censura e o Lápis Azul. autor: Quelhas

Sem comentários:

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)