Visualizações

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Lisboa marca um novo começo da União Europeia

JN 02 Dezembro 2009 O Tratado de Lisboa entrou ontem em vigor. Na cerimónia junto à Torre de Belém, os líderes europeus manifestaram convicção de que a União a 27 está reforçada. Cabe a Espanha iniciar execução do texto fundamental. Para uns, a data corresponde a um "novo começo" da História europeia; para outros, "um símbolo da Europa reunificada". As dificuldades na ratificação do Tratado - como o chumbo dos irlandeses no primeiro referendo realizado no país ou as dúvidas do presidente da República Checa - foram levemente mencionados na cerimónia para se manifestar a convicção de que a União sai reforçada e preparada para executar o Tratado. A 1 de Janeiro, quando Espanha assumir a presidência europeia, caberá a José Luís Zapatero essa tarefa. Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, sublinhou o "fardo" do primeiro-ministro espanhol. Zapatero jurou a "lealdade" espanhola ao projecto. "Caberá agora a Espanha, em cooperação com as instituições europeias dar um impulso à concretização do Tratado। Estou seguro que tudo fará". Durão também insistiu que só o Tratado não chega. "Nada substitui a liderança. Mais do que nunca é indispensável uma cultura europeia de decisão e a complementaridade entre Estados e instituições". Já para o presidente da República a "Europa fica mais apta, mas simultaneamente mais responsável, para dar resposta aos grandes desafios que tem pela frente": a crise económica e financeira, em particular o desemprego"; mas também para o combate às alterações climáticas e a defesa da segurança energética e alimentar। Cavaco Silva defendeu que a data deve, por isso, ser encarada, pelos europeus, como "um dia de esperança". "Para Portugal o projecto europeu é um pilar fundamental da sua política externa e do seu projecto de modernização", afirmou o primeiro-ministro. Sócrates insistiu que o Tratado "é um novo começo", nomeadamente "com o reforço das regras de transparência, de controlo democrático e de eficácia na tomada de decisões". Para Jerzy Buzek, presidente do Parlamento Europeu, o Tratado torna "mais eficientes" as estruturas comunitárias, dando aos cidadãos a possibilidade de exigirem à Comissão que debata determinados assuntos, desde que reunam um milhão de assinaturas.
Enviar um comentário

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)