Visualizações

domingo, 19 de dezembro de 2010

Prefácio - Quelhas

João Carlos Veloso Gonçalves “Quelhas” não tem medo da verdade. A sua pena mergulha fundo na sua Alma de escritor para derramar muitas vezes palavras incómodas que, goste-se ou despreze-se, não deixam nenhum leitor indiferente. A sua escrita, destemida e sincera, revela os seus ideais, ou seja, a sua forma de pensamento. E é precisamente a sua coragem em brotar para o papel, sem artifícios, o que a sua mente Pensa e o que o seu coração Sente que tem despertado tantas críticas e polémicas em torno da sua pessoa. “Filho” da Póvoa de Lanhoso, fez do mundo o seu palco de vida. O que a distância torna longe o coração aproxima; o que o Tempo faz esquecer a saudade relembra… Este autor multifacetado, que se inspira nas coisas simples da vida, tem calcorreado incansavelmente as largas avenidas da experiência no sentido de ampliar a sua visão do mundo e do conhecimento. Ama inegavelmente a cultura e tem a clara percepção de que é fundamental proceder à sua promoção e divulgação, de forma a que esta não se esconda na poeira espessa do desconhecimento tornando-se assim invisível aos olhos ávidos dos que a amam e apreciam. “Poeta, crítico, escritor, jornalista e repórter”, a sua imaginação e criatividade não tem limites, não se esconde por detrás do conforto castrador de um único género literário. Nesta obra, o escritor “Quelhas” apresenta ao leitor as diferentes versões dos autores que se inspiraram na heroína que se impôs contra os enterramentos fora das igrejas, adros e claustros, uma providência higiénica recomendada pelo progresso científico e técnico da época. Esta é também uma obra que nos fala da lenda do povo e que não esquece as letras dos compositores em torno daquela figura “mítica”, ou não, que se impôs contra as Leis de Saúde e o lançamento de um novo sistema de impostos que agravaria ainda mais a carga fiscal que recaía sobre as populações do Portugal de outrora. O autor defende que as diversas obras que têm surgido sobre a revolta que eclodiu na freguesia de Fonte Arcada, concelho da Póvoa de Lanhoso, mostram heterogeneidade embora a fonte de inspiração seja em todas elas a Maria da Fonte. Apontam-se, essencialmente, sete nomes como possíveis Marias da Fonte… Mas qual delas terá sido a verdadeira mentora da Revolução, decorrida em 1846? Para o “Inspirador” é fácil a resolução do enigma relativamente à verdadeira identidade desta figura heróica…Ele defende que a heroína, que ousou desafiar o século ficando conhecida para sempre na História de Portugal pelo nome de Maria da Fonte, não foi apenas uma! Nem somente as sete apontadas… Foram várias as mulheres que munidas de foices e outros instrumentos de labor agrícola fizeram “face aos Cabrais falsos à Nação”… Este foi assim um trabalho conjunto que mostrou a mentalidade da maioria da população, do século XIX, que exigia que o último sono fosse passado na casa de Deus. As crenças religiosas destas populações levou-as a não compreender os argumentos apresentados pela ciência, guiada pela luz da racionalidade, em prol da saúde do povo de antigamente. É compreensível que o rastilho para o conflito tenham sido as Leis de Saúde, medidas consideradas demasiado progressivas para a mentalidade da época, sobretudo nas comunidades camponesas, onde o apego à tradição e ao conservadorismo não conseguiu lidar de forma apaziguadora com a mudança e o progresso. “Terra das (Marias) da Fonte ou fontanário, história com histórias…” é, sem sombra de dúvida, uma obra que nos permite reafirmar que o “Inspirador” não se escuda numa escrita que ofusca ou que esconde os seus ideais e os seus pensamentos com receio da crítica ou das polémicas que possam daí advir… Apreciador acérrimo das “críticas construtivas em forma de humor” sabe lidar de forma lúcida, sapiente e sem temores com idealismos contrários aos seus. A Revolução do Minho de 1846, mais conhecida por Revolução da Maria da Fonte, é provavelmente um dos acontecimentos mais cativantes da História de Portugal do século XIX. O interesse que este tema despertou, desperta e, esperemos, que continue a despertar, nos tempos vindouros, deve-se ao mistério, às críticas e às polémicas que até à actualidade permanecem vivas… Esta obra, que o leitor tem nas suas mãos, aviva a memória da heroína ou heroínas que ousaram fazer face às medidas promulgadas pelo poder vigente da altura e reencendeia a polémica em torno desta figura ou figuras da História de Portugal… A História é a memória dos homens de outrora, do seu tempo, enfim da época em que viveram… Portanto, caro leitor através de obras como esta que tendes em vossa posse a imortalidade da Maria ou das Marias da Fonte permanecerá viva e intocável… Enquanto a memória dos seus corajosos e destemidos feitos se conservar sobre a terra, ela ou, neste caso, elas viverão… E para o bem da História e da Maria ou das Marias da Fonte ainda bem que assim o é… Ana Sofia Pinto Ana Sofia Gouveia da Fonseca Pinto, Professora, Licenciou-se em História na Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e é autora do livro: O Mistério da Maria da Fonte

Sem comentários:

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)