Visualizações

quinta-feira, 21 de março de 2013

MENSAGEM DO DIA NACIONAL DO TEATRO AMADOR (2013)


MENSAGEM DO DIA NACIONAL DO TEATRO AMADOR (2013)

Num país como este nosso Portugal, e neste nosso tempo, onde e quando o Teatro Profissional abrange e serve muito desigualmente o diverso território, sendo cada vez mais escassas as Companhias sobreviventes em muitas capitais de Distrito, fora dos grandes centros urbanos – como é consolativo verificar que o Teatro Amador, com tantas ou mais dificuldades ainda nos recursos de funcionalidade, vai briosamente cumprindo a sua função sociocultural: afinando sensibilidades, despertando vocações artísticas, agitando marasmos de comodismo egoísta, abrindo fronteiras de consciência política e renovado humanismo.

Por certo nunca será demasiado insistir neste ponto: o exercício amador da Arte Teatral é amplamente salutar. E nunca ouvimos falar de empresários ou diretores escolares que se tenham arrependido de patrocinar qualquer grupo dramático no respetivo âmbito laboral ou de ensino. Porque sempre os amadores de teatro se evidenciarão, positivamente, no seu profissional trabalho quotidiano, tal como, nas mesmas circunstâncias, sempre se hão de salientar nas aulas os alunos universitários, mas até os de escolas básicas ou secundárias.

Se o Teatro Profissional atinge por vezes níveis admiráveis de qualidade artística (devidos naturalmente à aprendizagem regular e institucional), não deixa o Teatro Amador de surpreender-nos de quando em quando, com o desempenho de um intérprete, a destreza duma encenação, a ousadia de um cenário – decididamente superando a tradicional insuficiência de meios. Mesmo tendo em consideração a justa remuneração devida aos profissionais (que permite a sua subsistência), não creio haver grande vantagem em demarcar, insistir demasiado na verdadeira vocação do profissional e na generosa devoção do amador. Porque um e outro servem a sua Arte de eleição consoante as suas disponibilidades de tempo.

E como é impressionante saber que alguém, depois de umas tantas horas de trabalho, privando-se do repouso e do convívio familiar, ainda tem ânimo de se entregar a ensaios ou representações teatrais!

No campo específico do Teatro, mais que desejável é a solidariedade entre profissionais e amadores. Participem os primeiros, sempre que possível, em ateliês de formação dos segundos, que, por sua vez, lhes poderão fornecer intérpretes profissionalizantes e ajudar à habituação, à fidelidade de um público.

Por outro lado, há que lembrar à Secretaria de Estado da Cultura e a algumas Câmaras Municipais mais renitentes que o Teatro – profissional ou amador – é mesmo uma criatividade cultural prestigiante e subsidiável. Mais que certos fogos de artifício que por todo esse País deflagram num esplendor e logo desaparecem. (Metaforicamente falando, claro).

NORBERTO ÁVILA

Dramaturgo

Enviado Por Dr: Paulo Freitas, Biblioteca Municipal da Póvoa de Lanhoso
Lembrar um belo momento no teatro da Póvoa de Lanhoso no lançamento de; O livro da criança

Sem comentários:

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)