Visualizações

domingo, 28 de junho de 2009

O Autodidacta, Jorge Campos, ainda está na exposição produzida pelo “Museu da Presidência da República”

Quelhas; com entrevista ao mundo artístico, intlectual e social na Suíça
Biografia: Jorge Campos Campos da Silva Jorge Manuel, nascido em Portugal a 19 de Maio de 1974. País onde estudou e viveu até aos 17 anos de idade, sito na freguesia de Frades do Concelho de Póvoa de Lanhoso. Em 1991 emigrou para a Suiça, cidade de Zurique, onde reside. Têm como profissão, auxiliar analista clínico. O Jorge tem o previlegio de dominares algumas linguas, dado que se entrega à comunidade onde vive. A arte sempre o fascinou, por isso sempre procurou canalizar as suas energias e os seus “sonhos” para todas as expressões artísticas. O Autodidacta Jorge Campos, está a dar continuidade, juntamente com outros escultores, desde a inauguração no dia 10 de Junho, dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, em Viana do Castelo, numa exposição produzida pelo “Museu da Presidência da República”, A exposição, desde então tem tido muita aderência, já por lá passaram mais de 30।000 visitantes, a continuidade em Viana deve-se ao êxito que perdura. Na altura teve como presença os convidados de honra, Ex. mos Senhores; Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso (Manuel Batista), e Vereadora (Fátima Moreira), o inspirador “Quelhas”, e dois amigos vindos de Espanha, e o nosso Presidente da República, “Cavaco Silva”, este, que pretende reunir artistas portugueses ou luso-descendentes actualmente a viver no estrangeiro. Seguidamente, Jorge, irá estar em várias exposições D; Arte, seguido a Viana, nomeadamente, no “Museu da Presidência da República, no Palácio Nacional de Belém.”
Introdução: As suas criações de arte, como os seus candieiros, exemplo: peças artísticas em pedra, torno de prensa em madeira, metais e um pouco de tudo, que de velho, se dá “vida à vida”, para além dos quadros em téla। Tudo isto são frutos espontãneos e momentos vivos e vividos na sua vida, e estadias em cidades onde têm passado, e paises que vesitou... Nenhuma obra è igual à anterior, todas têm um significado próprio। Para o Jorge Campos, justifica o momento que o inspirou. Não só neste ponto de vista, tambêm um dos motivos da criação destas peças únicas, são de facto o máximo aproveitamento de peças condenadas e dar-lhe uma nova identidade! “Restos de materiais ou materiais já não utilizados e a ponto de serem reciclados” Uma vez que todas elas deixaram de ter utilidade à primeira vista. Jorge Campos procura nelas uma conjunçäo entre “Arte” e “Design”. Tenta entre o aproveitamento antigo, fazer obras contemporãneas, com um estilo jovem e com uma utilidade, tendo uma peça de decoração única e diferente. Enfim o lucido aproveitamento de utilização e de ideias!
Água e luz: simboliza “a Reencarnação”. Todas estas obras são um pouco a vida do artista... Entregou-as aos seus “sonhos” e são este mesmos “sonhos” que preenchem grande parte da sua vida… Para o Jorge Campos é gratificante que as gentes da sua raça apreciem as suas obras D, Arte, pela cultura e deem-lhe mais valor, que o próprio valor e sonhos... Faço das palavras do Jorge as minhas palavras…
"Quelhas"
Enviar um comentário

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)