Visualizações

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Entrevista: artista Saúl Ricardo

No passado dia 03 de Dezembro 2016, tive a ocasião de entrevistar o grande artista Saúl, o qual me surpreendeu pela sua grande simpatia e boa disposição, disponibilizou-se para a grande entrevista na Revista Repórter X

Dorici: Saúl, quando começou a sua carreira de artista?

Saúl: A minha carreira começou muito cedo, tinha eu 4 ou 5 anos de idade na altura. Venho de uma família circense, comecei a cantar numa pista de circo, imitando o Quim Barreiros. Em 1993 gravei uma cassete intitulada o rival Quim Barreiros. Em 1994 participei num dos maiores programas de variedades da época, na SIC com o apresentador João Baião, no qual fui há final, mas não tive a sorte de ganhar a final! Em 1996 a Editora Vidisco pegou em mim e gravamos o “bacalhau quer alho”, que toda a gente conhece, foi um grande sucesso de vendas, em três meses foi triplo disco de platina, equivalente a cento e vinte mil cópias a nível nacional e até agora já são dezassete trabalhos editados, entre os quais a “fábrica do chouriço” que é um grande sucesso, “o pito da Maria”, “o meu rafeiro”, “a dança da mãozinha”, “comi no melão” que é o mais recente, “tu és capaz” toda a gente conhece e já toda a gente canta por aí.

Dorici: O Senhor trabalha mais em Portugal ou nas comunidades cá fora?

Saúl: Graças a Deus trabalho a nível mundial, como eu costumo dizer, tanto dentro como fora de Portugal, claro que no Inverno venho muito mais hás comunidades portuguesas cá fora trazer um bocadinho do nosso Portugal, um pouco da nossa cultura que tanto faz falta parar se recordarem, para trazer um bocadinho do nosso cantinho, da nossa bandeira e no Verão é a época mais forte, é claro que é mais dentro do nosso país em Portugal, mas estou sempre disponível, e sempre de braços abertos para vir cá para fora fazer espetáculos e brincar um bocadinho com a nossa cultura e com a nossa língua Portuguesa cá fora.

Dorici: Eu acho que as comunidades cá fora costumam receber muito bem os nossos artistas, verdade?

Saúl: Sim é verdade, e se falarmos de sítios mais longínquos sem ser na Europa, é um carinho completamente diferente, porque há muita gente que não vai a Portugal há quarenta anos, por exemplo pessoas que vivem na Austrália e que se nota muito mais o carinho, porque nem sabem como está a nossa cultura em Portugal, há gente que está um pouco atrasada no conhecimento da nossa música mais recente e levamos até eles, mas no nosso estilo português com as concertinas, os ranchos etc. Faz sim com que isso seja sempre uma novidade e eles adoram isso. Mas graças a Deus sou sempre muito bem recebido nas comunidades sem dúvida nenhuma.

Dorici: O Cantão Ticino que é este onde nos encontramos agora, é a primeira vez que vêm aqui?

Saúl: Não, já é a terceira ou a quarta vez, penso que seja a terceira ou quarta, a primeira vez creio que foi aproximadamente há cerca de oito anos, nesta sala já é a segunda vez.

Dorici: Têm previstos outros eventos aqui na Suíça a breve?

Saúl: Sim, temos previstos para o ano, em Fevereiro, Março e Maio, três meses que vamos estar por cá, um deles é no fim-de-semana do dia dos namorados, depois é o dia onze de Março, e depois sim em Maio mais uns dias.

Dorici: Costuma actuar com outros artistas? Como por exemplo o Quim Barreiros?

Saúl: Sim, já actuei com ele e não tenho problema nenhum em actuar com qualquer outro artista, mesmo de outro género musical, não tenho nenhum preconceito em trabalhar com eles, mas quando venho cá fora normalmente venho só.

Dorici: Saúl eu coloquei nas suas mãos a revista Repórter X! Que é uma revista de língua portuguesa na Suíça, que estamos a divulgar na Suíça, no Liechtenstein e em Portugal e esperamos em todo o mundo lusófono através das redes, que ideia lhe dá a si esta revista?

Saúl: A ideia que eu tenho é; em primeiro lugar dar-vos os parabéns, tanto pela audácia, como pela coragem sem dúvida alguma, pois para fazer isto não é tão fácil como as pessoas pensam e há muita gente a trabalhar por trás, para isto aparecer tão bonito como está, pois não é só a senhora, têm os designers, os repórteres, não é só a senhora, são todos os seus colegas, os directores, toda uma equipa e é de uma grande audácia de grande coragem fora do nosso país quererem mostrar a cultura como é vivida fora dele ou seja neste caso aqui na Suíça. Dou-vos os meus parabéns, continuem, das cinco mil cópias vamos passar para as dez mil cópias e das dez mil cópias para as quinze mil cópias, e tudo vai correr bem e através da internet, vão chegar a toda a parte do mundo. Força coragem e continuem em frente.

Exclusivo, Hermínia Dorici, representante da Revista Repórter X no Ticino

Revisão: Patrícia Antunes



Sem comentários:

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)