Visualizações

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

NEGÓCIOS

O que está por dentro da fusão entre Bayer e Monsanto

Duas gigantes dos setores agrícola e químico fecharam um acordo de fusão na quarta-feira, um negócio de US$ 66 bilhões


Monsanto: duas gigantes dos setores agrícola e químico fecharam um acordo de fusão na quarta-feira, um negócio de US$ 66 bilhões (Daniel Acker/Bloomberg/)

Duas gigantes dos setores agrícola e químico fecharam um acordo de fusão na quarta-feira, um negócio de US$ 66 bilhões: a Monsanto, dos EUA, e a Bayer, da Alemanha, a fabricante original da aspirina.

Trata-se do maior negócio do ano, que criará a maior fornecedora de sementes e químicos agrícolas do mundo, com US$ 26 bilhões em receita anual combinada da agricultura.

Se concretizada, a fusão juntará duas companhias com longas e célebres histórias que moldaram o que comemos, os medicamentos que tomamos e como cultivamos nossos alimentos.

Bayer: passado e presente

Em 1863, dois amigos que produziam corantes a partir do alcatrão de hulha criaram a Bayer, que se transformou em uma empresa química e farmacêutica famosa por comercializar a heroína como remédio para tosse em 1896, e depois a aspirina, em 1899.

A empresa foi contratada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial e usou trabalhos forçados. Atualmente, a empresa com sede em Leverkusen, na Alemanha, fabrica medicamentos e tem uma unidade de ciências agrícolas que produz maconha e pesticidas.

Sua meta é dominar os mercados de químicos e medicamentos para pessoas, plantas e animais.

Monsanto: passado e presente

A Monsanto, fundada em 1901, originalmente produzia aditivos alimentares como a sacarina antes de expandir-se para produtos industriais químicos, farmacêuticos e agrícolas.

É famosa por produzir alguns químicos controversos e altamente tóxicos, como os bifenilos policlorados, comumente conhecidos como PCBs e atualmente banidos, e o herbicida agente laranja, que foi usado pelo exército dos EUA no Vietnã.

A empresa comercializou o herbicida Roundup nos anos 1970 e começou a desenvolver milho e sementes de soja geneticamente modificados nos anos 1980. Em 2000 surgiu uma nova Monsanto a partir de uma série de fusões corporativas.

A empresa agrícola definitiva

Recentemente a Monsanto tentou se posicionar entre os fazendeiros como uma empresa química e de sementes completa. A ideia é usar informação diretamente dos campos para descobrir exatamente quando, onde e como os fazendeiros devem aplicar produtos químicos no cultivo para ter uma colheita maior.

O acordo se concretizará?

A transação seria a maior da história da agricultura, mas não é certa, porque podem surgir obstáculos antitruste. A combinação de Bayer e Monsanto formaria o maior ator de um setor com apenas três megaempresas ainda restantes.

Além disso, o acordo pode enfrentar reações na Alemanha, onde a maior parte dos cidadãos questiona se é seguro consumir e cultivar alimentos modificados.

Futuro da agricultura?

Devido ao domínio da Monsanto no ramo de sementes e à força da Bayer no segmento de químicos agrícolas, as empresas poderão vender aos fazendeiros um abrangente conjunto de pesticidas e sementes geneticamente modificadas.

A Monsanto também investiu no emergente setor de agricultura de precisão, que é uma forma dos fazendeiros descobrirem exatamente a quantidade de fertilizante ou o tipo de semente que devem usar.

Isso é possível por meio da coleta e da análise de dados sobre o clima e o cultivo em seus campos em níveis cada vez mais frequentes e detalhados.

A Monsanto e a Bayer argumentam que a ampliação das safras possibilitada pelo uso desses métodos será necessária para alimentar a crescente população mundial, que gera uma demanda maior por carne e produtos lácteos.

Artigo: Lydia Mulvany
Enviar um comentário

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)