Visualizações

domingo, 22 de janeiro de 2017

Flávio Borda d’Água, historiador, tomou Posse como Membro Académico da ALALS - Académie de Lettres et Arts Luso-Suisse, no museu Voltaire, em Genebra.


O museu Voltaire, em Genebra, no passado dia 5 de novembro, teve uma programação dedicada a Portugal, e à Língua Portuguesa: Flávio Borda d’Água é adjunto científico neste Museu, que serviu de residência de Voltaire, e tomou Posse como Membro Académico da ALALS, tendo ainda feito uma visita guiada, em língua portuguesa.

Flávio Borda d'Água é diplomado de um Master of Humanities da Universidade de Genebra, que concluiu em 2005 com uma monografia sobre a questão timorense no período da Segunda Guerra Mundial, publicada em 2007 pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros. É atualmente doutorando em História Moderna na Universidade de Genebra e adjunto científico no Instituto e Museu Voltaire. Os temas sobre os quais se debruça a nível de pesquisas e investigação são principalmente a história da polícia e da justiça, a receção de Voltaire em Portugal e a história de Timor Leste.”

Flávio Borda d’Água é desde 2010, assistente de investigação, na unidade de história moderna da faculdade de Letras da Universidade de Genebra, no âmbito de um projecto do Fonds National Suisse (equivalente da FCT). É também, desde 2005, adjunto científico no Instituto e Museu Voltaire em Genebra onde desenvolve projetos para a valorização do património oitocentista através de exposições, colóquios, ciclos de conferências e diversas atividades de mediação cultural, tendo participado em vários colóquios internacionais sob a temática da polícia e da justiça no século XVIII. É ainda Conselheiro Municipal da Mairie (Câmara Municipal) de Chêne bougerie, em Genebra e deputado do Partido Radical (PR).

A cerimónia de Tomada de Posse de Flávio Borda d'Água teve início às 15h, no salão nobre do museu. Contou com a presença do Presidente da ALALS, Augusto Lopes, a Vice-Presidente Lúcia Amélia e vários outros Membros Académicos.

Durante a cerimónia foi necessário fazer o juramento Oficial, do novo Membro Académico, “comprometendo-se a respeitar e a honrar a Literatura Portuguesa”. De seguida leu um pequeno texto sobre o seu Patronato (escritor consagrado da Literatura, que mais inspira o novo Membro Académico), tendo escolhido o escritor Fernão Mendes Pinto. Foi então agraciado com a Medalha de Honra da ALALS e vestiu ainda a capa (Pelerine), que identifica esta academia de escritores e artistas plásticos.

Seguiu-se depois uma visita guiada pelo museu, que serviu de residência a Voltaire, entre os anos 1755 e 1760, e onde escreveu o poema dedicado a Portugal. Durante a visita foi lido esse poema “Poème sur le désastre de Lisbonne”, em português e também em francês, por Flávio Borda d'Água, Reto Monico e Lúcia Amélia.

O Jornal Gazeta Lusófona aproveitou e colocou umas questões ao nosso anfitrião

Artigo: Repórter X


Entrevista:
Augusto Lopes (AL): Quais as funções de Flávio Borda D’Água no Museu Voltaire, uma vez que o anterior Diretor cessou as suas funções no anterior mês de Agosto?

Flávio Borda d’Água (FBA): As minhas funções continuam a ser as mesmas, embora que agora tenha menos tempo para a investigação. Tive de facto de integrar algumas funções do anterior diretor na minha agenda quotidiana.

(AL):Que importância representa para si o facto que um dos poemas que mais consagrou Voltaire ter sido  escrito neste lugar, e dedicado a Portugal, referindo-me ao poema: “ Poème sur le désastre de Lisbonne” ?

(FBA):A importância é grande. É sempre um privilégio de poder exercer funções de historiador numa instituição que teve Voltaire como seu proprietário. Sentimos por vezes a presença dele (risos). Voltaire não escreve propriamente o poema para o dedicar a Portugal. O que está por trás deste poema é uma querela intelectual e filosófica entre Voltaire, Rousseau e as ideias de Leibniz. O facto de o terramoto ter destruído completamente Lisboa conduziu a denomina-lo como « Terramoto de Lisboa ». Voltaire aproveita a situação política e religiosa de Portugal para a colocar em perspetiva com a querela entre os defensores da ideia que o terramoto era uma punição divina e os que defendiam que era um cataclismo natural. No entanto, o facto de Voltaire ter dado como título ao poema sobre o desastre de Lisboa, inscreve esta catástrofe na agenda europeia e ajuda a torná-la uma referência cultural nesta segunda metade do Século XVIII.

(AL):Flávio Borda D’Água  é sinonimo de sucesso e empenho. Que outros projetos estão em vista para o próximo ano de 2017?

(FBA):Os projetos são sempre imensos. Tenho no entanto como objetivo para 2017 de terminar uma investigação sobre Lisboa, o terramoto e a institucionalização da polícia. Como perseguir as outras investigações em curso mas espero também lançar um estaleiro científico para elaborar daqui a alguns anos uma biografia de um político célebre. Os projetos não faltam agora é necessário entrar o tempo para poder realizar tudo isto. O que é de apaixonante na investigação é de nos lançar numa temática e de ver as ramagens que ela tem. Muitas das vezes o tempo que pensamos que é necessário triplica…

Para além destes projetos é necessário continuar a desenvolver a minha carreira profissional e espero que 2017 seja um ano benéfico para tal.

Entrevista: Augusto Lopes
Entrevistado: Flávio Borda d’Água

Enviar um comentário

Aqui notícias relacionadas com os livros do autor Quelhas...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)